Poetisa Leidiana S. Silva

Poetisa Leidiana S. Silva
********

quinta-feira, 23 de março de 2017

O FIM DO NOSSO AMOR

Depois de tanto amor
Fiquei chata para você
Começou me ignorar
Até fingia não me ver

Quando acontecia
Ficar perto de mim
Não queria papo
Não queria interagir

Mesmo estando com você
Eu vivia na solidão
O tempo foi passando
E, só piorou a situação

Fiquei de soco cheio
De viver ignorada
Ne sentia traída
Desfeita e humilhada

Desculpei-te várias vezes
E cansei de desculpar
Então tomei a decisão
De nunca mais te perdoar

Cansei de dá amor
E não ter nem atenção
Então quis pôr um fim
Em toda aquela humilhação

Cansada de sofrer
E cansada de chorar
Então eu decidir
É hora de mudar

E daí eu resolvi
Pôr um fim na nossa história
E o meu primeiro passo
É lógico foi de eu ir embora

Então eu te deixei
Depois de tanto avisar
Você não me ouviu
Não quis acreditar

Fechei meu coração
Tranquei o nosso amor
Fiz mais o enterrei
Suas chances acabou

Tranquei o nosso caso
Deixei o arquivado
Definitivamente...
Em casos encerrados

Não adianta se arrepender
É tarde para mudar
Saí da sua vida
Sem planos de voltar

Então siga o seu caminho
Que o meu já estou seguindo
E nem eu sei qual será
O meu próximo destino

Não precisa perder seu tempo
Voltar atrás e me procurar
Pois agora é muito tarde
Não vai mais me encontrar

Fui embora da sua vida
Nunca mais irá me ver
Deletei a nossa história
Eu não quero mais você

Estoure um champanhe
E pode comemorar
O fim do nosso amor
Acabou de conquistar.

BRUTA ADAPTAÇÃO

Sei que é inacreditável
Mas sou como camaleão
Me adapto em toda
E qualquer situação

As vezes parece até de pedra
Esse meu frágil coração
Fazendo-se de muito forte
Indecifrável e sem noção

Mas é só aparência
Pois fraquíssimo ele é
E sei que se tivesse pernas
Nunca que parava em pé

A minha grande adaptação
É uma forma de sobreviver
Foi a maneira que encontrei
Pra depressão não me vencer

Apesar de parecer forte
Vivo sempre a chorar
Mas procuro esconder
E para ninguém demonstrar

Sofro eu sozinha e calada
Me fazendo de durona
Não deixando ninguém ver
Que na verdade sou chorona

Assim é minha vida
Uma vida de sofrência
Tristeza e amargura
Uma vida de aparência

Pareço muito... forte
Uma pessoa bem feliz
Mas só que meu coração
Não é o que ele diz

Fingo estar tudo bem
Sempre rindo pra não chorar
Nem eu mesma entendo como
Ainda estou a suportar

Mas assim que é a vida
Uma constante adaptação
Aja nervo que aguente
Aja calma coração

A vida sempre foi assim
E assim sempre será
A gente espera que ela mude
Sabendo que não vai mudar

Será assim querendo ou não
E não querer é igual sofrer
Não aceitá-la como é
É uma vida sem viver

Seja um camaleão
E viva a adaptação
Verás que é bem mais fácil
Enfrentar a decepção

Acostume-se as coisas
Que te faz e não faz bem
Deixe as coisas aconteceram
Não reclame pra ninguém

Ninguém pode te ajudar
Em questão de superação
O segredo é se adaptar
Igualzinho ao camaleão.

quarta-feira, 22 de março de 2017

AMO MUITO O FRIO

Não gosto de chuva forte
Mas curto muito uma garoa
Já deu para imaginar, que:
Frio pra mim é coisa boa!

Não gosto de chuva forte
E nem nela me molhar
Mas amo a sensação
Quando o tempo está esfriar

Não curto chuva forte
Não curto raios, nem trovão
Mas curto à berça o frio
Seja em qualquer estação

Não curto vendaval
Nem chuva de granito
Mas chuvinha de garoa
Isso eu acho bonito

O frio me alegra
É algo que me satisfaz
A neblina sobre a terra
Para mim é lindo demais

Não curto o calor
Pois parece que vou derreter
Prefiro o gelo do frio
E um casaco a aquecer

Eu sempre... falei
Queria morar numa geleira
E minha mãe sempre disse
Menina, não fala besteira

Mas no fundo é verdade
Pois muita tristeza me dá
Quando vejo que a poluição
Está fazendo mal ao ar

A camada de ozônio
A cada dia se destruíndo
E aquele frio gosto
Cada vez mais diminuíndo

Isso é muito, muito triste
Mas eu tenho esperança
Que o tempo voltará a ser...
Igual a minha época de criança

Eu sempre amei o frio
E sempre o vou amar
Melhor que o frio pra mim
Garanto que mais nada há

Por isso saí do Nordeste
Saí do meu sertão
Pois o seu clima quente
Isso não aguento não

Hoje moro no Sudeste
Estou longe do Sertão
E até sinto saudade
Mas pra lá nao volto não

Lado a lado com o Sul
Aqui eu dou nota mil
Pois já dá para sentir
Um pouquinho do seu frio

Quando neva lá no Sul
Aqui fica geladinho
Ai é só correr pra cama
E ficar embrulhadinho

Só os que trabalha fora
Que sempre vai reclamar
Mas eu mostro uma solução
É só, bem... se agasalhar

Usar luvas, usar toucas
Um casaco bem quentinho
E quando voltar pra casa
Manter-se aquecidinho

O frio faz muito bem
Mas tem que se adaptar
Para criar resistência
E resfriado não ficar.